Festivais na Itália e na Holanda

Festivais na Itália e na Holanda

Oi Pessoal! Agora eu estou escrevendo do trem Rotterdam-Paris. To voltando pra casa depois de 4 dias incríveis! Conheci muita gente legal, revi vários amigos e fiz shows em várias formações diferentes. É daquelas tournées que você volta satisfeito e de barriga cheia!

Na sexta eu toquei na Itália com a “Orquestra do Fubá”, o show foi legal mas o mais legal foi rever o Vittorio, nosso agente italiano, que é super gente fina. Sempre é legal ir pra Itália: a gente come bem, bate papo nas viagens de carro dentro do país (que nem sempre são curtas) e toca, claro, o que é sempre bom.

No dia seguinte, peguei o vôo pra Rotterdam, Holanda. Chegando lá fui recebido pelo Ole, programador do Dunya festival e pelo Remko Landmeter, flautista holandês que toca super bem música brasileira . Fomos direto ensaiar…
Rotterdam é uma cidade incrível. É uma mistura louca do moderno com o antigo, por que ela foi bem destruída na segunda guerra e os Holandeses resolveram reconstruir moderna. Lá também tem a única faculdade de World Music que eu conheço. Os alunos tem aula de Tango, Flamenco, Musica Latino-americana… Foi lá que a gente ensaiou. Eu e o Remko. Preparamos uma vesão do “um a zero” pra flauta e violino, pra tocar na abertura do Dunya Festival, que foi no dia seguinte. Do ensaio ainda fomos pra um bar brasileiro e rolou uma canjinha e tudo.

Dunya Festival

O Dunya é um festival incrível. Com vários palcos, uma programação super boa, num parque animal. Nesse dia eu toquei 3 vezes (fora uma canjinha com o Spok Frevo).  Abri  o dia com o duo com o  Remko, depois, as 2 horas, fiz o show do meu quarteto que foi bem legal, o pessoal tocou super bem e teve uma participação, especial do Remko. Depois assisti o show do Hamilton e Suzano, emendei assistindo o show da Spok Frevo da coxia e finalizei o dia tocando com o Fubá!! Maratona musical non stop das 11 da manhã às 10 da noite! Dia seguinte, no café da manha, ainda ficamos batendo papo com o Spok e a galera. Os caras são muito gente fina, além, claro de tocarem cada vez mais incrivelmente… Realmente um super trabalho. Depois do café, veio o motorista do último festival da tourné, me pegar pra mais uma viagem…

Music Meeting, em Nijmegen (e meu primeiro show solo, solo mesmo)

O Music Meeting, um amigo meu jornalista belga o Benjamin me falou, é um dos festivais mais legais da Holanda-Belgica. O público vai lá pra escutar, mesmo. A programação é bem selecionada, o Back-stage é todo comun, então cê encontra mesmo, os outros músicos… Não é a toa que se chama Music Meeting, né?  Olha quem tava lá: O Hamilton de Holanda, o Suzano, o Jovino de Santos Neto, Diego Figueiredo, Rodolfo Streuter, Noah Streuter, Toninho Ferraguti, Ricardo Mosca, Rodrigo Bottermaio e eu devo tar esquecendo alguém ainda… Foi a maior festa. O Wim (o programador) me pediu pra preparar um show solo de 25 min. Eu nunca tinha feito, mas achei legal o desafio. O show era num espaço super bonito, num jardim onde eles montaram uma tenda e rolava um brunch. No começo eu fiquei com medo do barulho, mas o público realmente tava lá pra ouvir. Eu tinha preparado uns números de violino solo, uns com um pedal de loop e outros com violinos pré gravados no computador. Achava que tava legal, mas não sabia o que ia dar, né. Mas quando eu vi os olhos da platéia começarem a brilhar, relaxei. Foi super legal. Acabei tocando 50 minutos e vendi bastante CDs no final. Agora me empolguei em montar um show inteiro assim. Vamos ver no que dá.

Depois disso, fui fazer um programa de rádio, que era gravado lá mesmo. Ele já tá em streamming no site do festival. No final da tarde toquei no  Encontro Brasileiro, comandado pelo Jovino. Foi improvisado mas foi divertido. Depois ficamos tomando uma cerveja e botando o papo em dia, com o pessoal todo.
Hoje meu trem de Rotterdam à Paris era só de noite, então tive um Day-off, que eu usei pra dar uma visitada em Rotterdam, que não tinha dado tempo antes, pra ver direito. Ainda tive a sorte de encontrar uma jornalista, que tava no festival e fazer um tour com ela.

Bom, pessoal. Muita coisa, né?
To cansado agora, mas tomara que continue sempre assim, nessa canseira! 5 shows em 4 dias!

Valeu de novo pela visita! Sempre apareçam pelo site!

Um abraçao!

Ricardo Herz

[nggallery id=1]

Rotterdam: uma mistura do antigo com o novo. Esse predinho marrom, à esquerda do bloquão cinza, dizem que é o primeiro arrana-céu do mundo. O céu era mais baixo na epoca...

Rotterdam: uma mistura do antigo com o novo. Esse predinho marrom, à direita do bloquão cinza, dizem que é o primeiro arrana-céu do mundo. O céu era mais baixo na epoca...

Remko Landmeter. O simpático e super músico, flautista Holandês. Logo antes da participação no meu show.

Remko Landmeter. O simpático e super músico, flautista Holandês. Logo antes da participação no meu show.

Estacionamento de bicicletas, no lado da estação em Rotterdam

Estacionamento de bicicletas, no lado da estação em Rotterdam.

Anthony Winzenrieth, Natalino Neto e Mathieu Gramoli, O RH quartet europeu

Anthony Winzenrieth, Natalino Neto e Mathieu Gramoli, O RH quartet europeu.

Show do Hamilton e Suzano, no mesmo palco que foi o meu. Tavamos nós e o Spok  frevo assistindo, mó onda

Show do Hamilton e Suzano, no mesmo palco que foi o meu. Tavamos nós e o Spok frevo assistindo, mó onda.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s